Eunício é acusado de receber propina para liberar MP para Odebrecht

Eleito nesta quarta-feira, dia 1º, com 61 votos presidente do Senado e do Congresso Nacional, o senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) era c...

Eleito nesta quarta-feira, dia 1º, com 61 votos presidente do Senado e do Congresso Nacional, o senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) era conhecido entre os executivos da Odebrecht como o "índio", apelido utilizado pelo chamado departamento de propinas da empreiteira para se referir ao parlamentar.
O ex-diretor de Relações Institucionais da empresa Cláudio Melo Filho afirmou em sua colaboração premiada que o agora segundo homem na linha de sucessão presidencial teria recebido cerca de R$ 2,1 milhões em propinas entre outubro de 2013 e janeiro de 2014.
Os acordos de delação premiada dos 77 executivos e ex-executivos da empreiteira foram homologados nesta semana pela presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, e já podem ser utilizados para investigações da Procuradoria-Geral da República.
O valor, segundo o delator, teria sido destinado para garantir o apoio do parlamentar à Medida Provisória 613, aprovada em agosto de 2013 pelo Senado e que desonerava a cadeia de produção do etanol e beneficiava a Odebrecht.
De acordo com Melo Filho, o pedido de propina para garantir a aprovação da medida partiu do senador Romero Jucá (PMDB-RR) em um encontro em seu gabinete. Jucá nega conduta ilícita.
"Pelo que me foi relatado pelo senador Romero Jucá, confirmando a sua posição de centralizador do recebimento de pagamentos e organizador dos repasses internos do PMDB, os pagamentos seriam destinados a membros do PMDB no Senado Federal, especificamente a ele e aos senadores Eunício de Oliveira e Renan Calheiros", afirmou o delator.
Para Melo Filho, Eunício faz parte do "trio que efetivamente era o dono do PMDB do Senado", em referência também a Jucá e a Calheiros, que deixou nesta quarta-feira a presidência da Casa.
"Desde que assumiu mandato de senador, em 2011, o senador Eunício também passou a ser representado pelo senador Romero Jucá. Percebia isso quando eu tratava com Romero Jucá, que deixava claro que seus pedidos e alinhamentos representavam também a vontade do senador Eunício Oliveira", segue a delação de Melo Filho.
Melo Filho entregou aos investigadores a planilha do "departamento de propinas" da Odebrecht, que tinha um sistema de contabilidade próprio, com as indicações dos pagamentos ao "índio" e detalhou como eles teriam sido efetuados.
O executivo juntou inclusive trocas de e-mails da cúpula da Odebrecht na qual eles relatam a pressão de Eunício para receber dinheiro durante a tramitação da MP. Em uma mensagem para o então presidente do grupo Marcelo Odebrecht, no dia 28 de agosto de 2013, Cláudio Melo relata que Eunício havia obstruído a votação da proposta.
O presidente da companhia, então, expressa sua surpresa. "Que maluquice! O que ele ganha com isto?" "O de sempre", respondeu Cláudio Melo Filho.
Hypermarcas
O nome do peemedebista, que agora está entre as figuras mais poderosas da República, também aparece em outra delação premiada do ex-diretor de relações institucionais da Hypermarcas Nelson Mello, que cita repasses de R$ 5 milhões para a campanha de Eunício ao governo do Ceará em 2014. Ele acabou sendo derrotado naquele ano e permaneceu no Senado.
Segundo a delação, mediante contratos fictícios, o ex-diretor da Hypermarcas teria pagado despesas de empresas que prestavam serviços à campanha do peemedebista. O valor total dos contratos seria de R$ 5 milhões.
No caso desta delação, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, se declarou suspeito para investigar o peemedebista. "Afirmo suspeição, por motivo de foro íntimo, quanto à investigação do ilustríssimo senador Eunício Oliveira. Quanto aos demais, não há impedimento de ordem objetiva ou subjetiva para a condução dos feitos", escreveu Janot, em despacho datado de 19 de setembro de 2016 revelado pelo site de notícias jurídicas "Jota".
Quando a delação da Odebrecht veio à tona, Eunício informou que todos os recursos da campanha dele ao Senado foram recebidos e declarados de acordo com a lei e aprovados pela Justiça Eleitoral. O senador acrescentou que nunca autorizou ninguém a negociar em seu nome recursos para favorecer empresas públicas ou privadas.
Já em relação à delação da Hypermarcas, o advogado do parlamentar, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, disse que a delação é baseada em um "pressuposto falso" e que não houve doações ilegais para a campanha do peemedebista em 2014.

COMENTÁRIOS

http://picasion.com/
Nome

Colunistas Noticias Politica
false
ltr
item
.: Eunício é acusado de receber propina para liberar MP para Odebrecht
Eunício é acusado de receber propina para liberar MP para Odebrecht
https://4.bp.blogspot.com/-V0Pvr9JWbdU/WJPBIuvuL4I/AAAAAAAA4kM/3s6RFPWgNXYizkLuaZGDFE4oYn-A8UM0ACLcB/s320/euni600.jpg
https://4.bp.blogspot.com/-V0Pvr9JWbdU/WJPBIuvuL4I/AAAAAAAA4kM/3s6RFPWgNXYizkLuaZGDFE4oYn-A8UM0ACLcB/s72-c/euni600.jpg
.
http://www.rederadarnews.info/2017/02/eunicio-e-acusado-de-receber-propina.html
http://www.rederadarnews.info/
http://www.rederadarnews.info/
http://www.rederadarnews.info/2017/02/eunicio-e-acusado-de-receber-propina.html
true
2997983909287158768
UTF-8
Não foi encontrada nenhuma postagem VER TUDO Leia Mais Resposta Resposta cancelada Delete Por Home PÁGINAS POSTAGENS Veja tudo MAIS NOTÍCIAS tag ARQUIVO PROCURE TODAS AS POSTAGENS Not found any post match with your request Voltar ao início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora mesmo 1 minutos atrás $$1$$ minutos atrás 1 hora atrás $$1$$ horas atrás Ontem $$1$$ dias atrás $$1$$ semanas atrás Mais que 5 semanas atrás seguidores Segue THIS CONTENT IS PREMIUM Please share to unlock Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy